AGENDA

8º FÓRUM MUNDIAL DA ÁGUA

voltar para o site

AGENDA

8º FÓRUM MUNDIAL DA ÁGUA

voltar para o site

Possibilidades e restrições para a revitalização da Bacia do Rio Doce

Quinta DAS 16:00 ÀS 18:00

TEMAS

ECOSSISTEMAS

LOCAL

Sala 4

DESCRIÇÃO

[SE-02] 

Fundação Renova, Brasil

Devido ao rompimento da barragem do Fundão em novembro de 2015, operada pela mineradora Samarco, no município de Mariana, Minas Gerais, Brasil, a Fundação Renova foi criada. Definida em um Termo de Transação e Ajuste de Conduta (TTAC), sua missão é implementar e gerenciar 42 programas de compensação e restauração nas regiões impactadas pelo desastre na Bacia do Rio Doce. O TTAC é um termo no qual a Samarco, a Vale e a BHP Billiton acordam em financiar a recuperação de todos os danos. O Governo Federal do Brasil, os estados de Minas Gerais e Espírito Santo e fundações e instituições estaduais, que regulam tecnicamente os aspectos sociais e ambientais impactados pelo rompimento, também apoiam um modelo de governança sem precedente após a maior tragédia no setor de mineração do país. Toda a Bacia do Rio Doce foi afetada pelo rompimento da barragem do Fundão e tem sido monitorada desde novembro de 2015. Em junho de 2017, a Fundação Renova implementou de forma compensatória o Programa de Monitoramento Quali-quantitativo Sistemático (PMQQS) de água e sedimentos no Rio Doce, na Zona Costeira e em Estuários. Esse programa terá a duração de dez anos e já faz do Rio Doce o mais monitorado do Brasil. Neste cenário, a proposta deste evento paralelo da Fundação Renova é apresentar e discutir, com vários atores em uma mesa redonda, os desafios da recuperação da Bacia do Rio Doce e a consequente preparação de um documento de referência para atuar na revitalização de impactos em cursos d'água por meio de uma governança que envolve vários interessados e permite a construção coletiva em todos os processos.

Patricia de Araujo Bernardes
Fundação Renova
patricia.bernardes@fundacaorenova.org